Complexidade ou simplicidade não são características do sistema, mas sim da abordagem.

Complexidade ou simplicidade não são características do sistema, mas sim da abordagem.

Por: Celso Calia*

Apesar de aparentemente diferentes, todas as empresas convergem na busca do “O QUE” atingir.

Todas as empresas privadas, de qualquer segmento, buscam vantagem competitiva duradoura, o que requer habilidade para atender às principais necessidades do cliente resumidas em:
• Cumprir prazo (maior pontualidade)
• Cumprir orçamento (menor custo)
• Cumprir escopo (melhor qualidade)

As verdadeiras diferenças estão no “COMO” atingir isso.

O caminho óbvio é o da melhoria dos processos, ou seja, de como as coisas são feitas. Isto é unanimidade. Mas como um processo é uma sequência de várias etapas, busca-se melhorar todas elas, dentro do conceito de que é preciso “melhorar tudo para melhorar o todo”. Esta é uma abordagem complexa e de resultados frustrantes, levando à conclusão de que os “sistemas são complexos”.

Tome-se o exemplo da corrente de elos. Há duas abordagens para reforçar a corrente, uma delas é reforçar todos os elos e a outra é reforçar apenas o elo mais fraco. Ocorre que, como qualquer corrente jamais terá elos idênticos, o que determina a resistência da corrente é o seu elo mais fraco (sempre o primeiro a romper), portanto ao reforçar todos os elos, acaba-se reforçando também o mais fraco e, por isso, a corrente resulta reforçada. Mas a que custo? Consumindo quanto tempo? Dispersando quanto esforço? Por outro lado, se a cada momento apenas o elo mais fraco for reforçado, a corrente será reforçada continuamente a um custo menor, num tempo menor e num esforço menor. A primeira é uma abordagem complexa e de resultado frustrante, levando à percepção de que “a corrente é um sistema complexo”, enquanto que a segunda é uma abordagem simples e de resultado gratificante, levando à percepção de que “a corrente é um sistema simples”.

Interessante observar que o exemplo acima nos permite concluir que a complexidade não está no sistema que está sendo trabalhado, mas sim na abordagem adotada, ou seja, complexidade ou simplicidade não são características do sistema, mas sim da abordagem. Então, a boa notícia é que todo sistema pode ser continuamente melhorado de forma simples, desde que se atue com foco no seu “elo fraco” ou “ponto crítico” ou “restrição”. É a conquista da simplicidade, trabalhando as aparentes diferenças, de forma verdadeiramente diferente.

SÍNTESE:

1. AS EMPRESAS CONVERGEM NO QUE ATINGIR – VANTAGEM COMPETITIVA DURADOURA

2. VANTAGEM COMPETITIVA DURADOURA = ATENDER ÀS PRINCIPAIS NECESSIDADES DO CLIENTE
• PRAZO – MAIOR PONTUALIDADE
• ORÇAMENTO – MENOR CUSTO
• ESCOPO – MELHOR QUALIDADE

3. AS EMPRESAS TAMBÉM CONVERGEM NO COMO ATINGIR – MELHORIA CONTÍNUA DOS PROCESSOS

4. MAS, COM QUE ABORDAGEM SE FAZ A MELHORIA DOS PROCESSOS?
• REDUZINDO AS VARIABILIDADES (INSTABILIDADES) QUE OCORREM EM TODAS AS ETAPAS
• MELHORANDO TUDO PARA MELHORAR O TODO – CUSTO? TEMPO? ESFORÇO?
• ABORDAGEM COMPLEXA E DE RESULTADOS FRUSTRANTES – “OS SISTEMAS SÃO COMPLEXOS”

5. EXEMPLO DA CORRENTE DE ELOS
• OS ELOS SÃO =  REFORÇAR TODOS OS ELOS – A CORRENTE É UM “SISTEMA COMPLEXO”
• OS ELOS SÃO ≠  REFORÇAR SÓ O ELO MAIS FRACO – A CORRENTE É UM “SISTEMA SIMPLES”

6. TODO SISTEMA PODE E DEVE SER ABORDADO DE FORMA SIMPLES
• MELHORAR SOMENTE AS RESTRIÇÕES PARA MELHORAR O TODO – CUSTO? TEMPO? ESFORÇO?
• ABORDAGEM SIMPLES E DE RESULTADOS GRATIFICANTES – “NÃO HÁ SISTEMA COMPLEXOS”

7. SUCESSO RESULTA DA HABILIDADE DE ABORDAR DE FORMA SIMPLES AS APARENTES COMPLEXIDADES

Nosso diferencial é abordar de forma simples as complexidades da sua empresa.

A simplicidade está na habilidade de identificar e solucionar as etapas mais críticas dos processos, ou seja, basta reforçar o elo mais fraco de uma corrente, para aumentar a resistência de toda a corrente.

Nossa metodologia é uma integração entre TOC, Lean e Seis Sigma, que chamamos TLS. Com a TOC, identificamos as etapas mais críticas, que denominamos RESTRIÇÕES. Com o Lean, enxugamos o que não agrega valor. Com o Seis Sigma minimizamos as variabilidades.

A aplicação do TLS consiste em capacitar e certificar os colaboradores da sua empresa, apoiá-los na implementação até os resultados e garantir a sua sustentação, através da elaboração dos novos procedimentos.

Nossa equipe de consultores associados é especializada, experiente e altamente comprometida em conquistar resultados no curto prazo e com excelente relação custo/benefício, para a sua empresa.

* Celso Calia

  • Sócio-fundador da Goldratt Associados Brasil (1990)
  • Sócio e colaborador do Dr. Eliyahu M. Goldratt no Avraham Goldratt Institute – USA (1990 a 2007)
  • Membro-fundador da TOC-ICO – USA (2003), com certificação em todas as metodologias da Teoria das Restrições